Projetos / CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA

  • P_E_1055-047-E  FACEBOOK
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA
  • CENTRO DE VISITANTES NA SERRA DO ROLA-MOÇA

Descrição

Local: Parque estadual do Rola-Moça
Data: 2017

Fotos: Gustavo Xavier

Parque Estadual da Serra do Rola-Moça é uma das mais importantes áreas verdes do Estado de Minas gerais. Situado na região metropolitana de Belo Horizonte, e abriga alguns dos mananciais que abastecem a capital, além de habitat natural de espécies da fauna ameaçadas de extinção como a onça parda, a jaguatirica, lobo-guará, o gato-do-mato, o macuco e o veado campeiro.

O Parque está situado numa zona de transição de Cerrado para Mata Atlântica, rico em campos ferruginosos, que são muito raros, sendo encontrado apenas no quadrilátero ferrífero e em Carajás.

Portanto o Edifício foi concebido como objeto pousado levemente sobre o sítio do Rola Moça, interferindo minimamente na topografia do terreno e preservando a vegetação local.

Essa leveza na implantação e a extrema horizontalidade de sua forma tornam sua presença marcante na paisagem.

Um marco arquitetônico para a entrada do parque, para que os visitantes o reconheçam como seu centro de apoio, um lugar de descanso, para refeições rápidas, contemplação das exposições e da natureza em si, e também um excelente lugar para vislumbre astronômico.

O edifício conta com uma recepção, um salão de exposições, uma sala multiuso (miniauditório), lanchonete, sanitários e um cinema a céu aberto, onde poderão ser realizadas aulas didáticas, palestras e exibição de vídeos, contribuindo assim para a educação da população e conscientização dos usuários do parque. A lanchonete tem aberturas para dentro e para fora da edificação, permitindo o funcionamento mesmo quando o museu principal estiver fechado.

Os materiais construtivos escolhidos procuram fazer referência ao local em que se insere o edifício através de sua cor marrom escuro, fazendo referência ao solo de canga existente composta em grande parte por minério de ferro.

Visitors Center of Rola Moça Park

The Rola-Moça State Park is one of the most important green areas of the State of Minas Gerais. Located in the metropolitan area of Belo Horizonte, it houses some of the sources that supply the capital, as well as the natural habitat of species of endangered fauna such as the brown jaguar, the ocelot, the maned wolf, the wildcat, the macuco and the stag

So the Park is situated in a transition zone from Cerrado to Atlantic Forest, rich in ferruginous fields, which are very rare, being found only in the iron and iron quadrangle and in Carajás.

The building was conceived as an object lightly placed on the site of Rola Moça mountain range, minimally interfering in the topography of the terrain and preserving the local vegetation.

The lightness in the implantation and the extreme horizontality of its shape make a striking presence in the landscape.

An architectural landmark for the park entrance, so that visitors recognize it as their center of support, a place of rest, for quick meals, contemplation of the exhibitions and nature itself, and also an excellent place for astronomical glimpse.

The building has a reception, as exhibition hall, a multipurpose room (mini-auditorium), a snack bar, toilets and an outdoor cinema, where teaching classes, lectures and videos can be held, thus contributing to the education of the population and awareness of park users. The snack bar has openings inside and outside the building, allowing it to operate even when the main museum is closed.

The chosen materials seek to refer to the place where the building is located through its dark brown color, making reference to the existing canga soil composed largely of iron ore.